Tenho certeza que você já pensou que organizar seus documentos é importante para que a SUA vida seja melhor gerenciada. Mas já pensou no quanto também é importante para as pessoas que te rodeiam? Quem nunca se viu diante de uma situação complexa, precisando encontrar uma certidão com urgência e não sabia nem por onde começar naquele mar de papéis do cônjuge, por exemplo?

Eu vivencio muito isso quando trabalho com inventários. É um momento bastante delicado e é comum que a família só procure um advogado quando o prazo de 60 dias já está quase se esgotando. Cabe uma observação: acho esse prazo muito curto, considerando todo o desgaste emocional que ocorre após a perda de um ente querido. Até questiono se não é curto de propósito, já que, após esse período, há aplicação de multa… enfim…

A questão é que só nos damos conta de tudo que precisa ser resolvido depois que perdemos alguém. Ninguém gosta de falar em falecimento, é um assunto super tabu e, por isso, muita gente vai empurrando com a barriga, seja para organizar a papelada de alguém da família, seja para organizar a sua própria papelada. E aí, quando o inevitável acontece, é uma correria doida, catando informações de todos os lados. E tudo seria diferente se pensado com antecedência…

Mas como amenizar toda essa burocracia em um momento de luto? Mantendo todos os documentos organizados e ao alcance de quem será o futuro inventariante. Eu sugiro que seja uma pasta física e outra digital, na nuvem, utilizando aplicativos como Google Drive ou Dropbox.

Listei abaixo os documentos que considero importantes ter à mão, não apenas para resolver entraves inerentes ao falecimento, mas também aqueles que são solicitados pelos advogados para entrada em um inventário.

– RG (sugiro guardar cópia tanto do RG emitido pelo Detran/SSP quanto pelos conselhos de classe)
– CPF
– CNH
– Certidão de casamento atualizada
– Certidão de nascimento
– Certidões de óbito dos ascendentes (e descendentes, se for o caso)
– Cartões de banco – se os cartões não estiverem na carteira, arquivar juntamente com o restante da documentação. Alguém precisará ter a senha; por motivos de segurança, não guardar senha + cartão de banco no mesmo lugar.
– Apólices de seguro (vida/residencial/veicular)
– Título de eleitor
– PIS/PASEP
– Comprovante de residência
– Carteira do Plano de Saúde
– Certidão RGI de todos os imóveis
– Cópia da guia de IPTU de todos os imóveis
– Escrituras
– Números de sepulturas em nome da família, se houver
– Dados bancários como extratos, investimentos, dívidas, etc
– Declaração de Imposto de Renda atualizada
– Certidão negativa de débitos com a União
– Certidão negativa de ações judiciais
– Certidão negativa de débitos dos imóveis (FUNESBOM, IPTU, condomínio)
– Contrato Social/JUCERJA, caso possua empresa
– Renavam de todos os veículos

Vou postar mais sobre esse organização de documentos pré-inventário e a caixa de comentários está disponível para todas as dúvidas que vocês tiverem sobre esse assunto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *